Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

com a cabeça entre as orelhas

no caminho do minimalismo, procurando a essência.

no caminho do minimalismo, procurando a essência.

com a cabeça entre as orelhas

14
Jul19

É mais fácil...

EB4E36F8-4029-468F-9AEF-DB5CBA2505CA.jpeg

 

É mais fácil aceitar que x deixou y por 2x. É mais fácil escolher lados. É mais fácil tomar partidos.

Mas ninguém esteve lá. Ninguém esteve lá quando x, durante 4 anos, teve que sair de casa mais cedo para não se cruzar com a empregada doméstica; ninguém esteve lá daquela vez que x teve que se despachar à pressa e sair pelas escadas para não se cruzar com z. Ninguém esteve lá quando y e x decidiram tentar novamente, sabendo que seriam necessárias mudanças. Mudanças que existiram, na fórmula de w, mas que se ficaram por aí. Ninguém esteve lá quando x teve como resposta de y “não me faças escolher...”, guardada nas reticências a certeza de que a escolha não recairia em x. Ninguém lá esteve.

Mesmo quem lá esteve descarta, com um sacudir de ombros, tudo isso como estando de acordo com o eixo do seu tempo. Não creio sequer que tenha compreendido - ainda hoje - a dor profunda, as cicatrizes do passado que esses “nadas” abriram. Nenhum reconhecimento genuíno pela dor provocada.

A fórmula matemática de 2 vidas em 1 relação é bem mais complexa. É mais fácil, portanto, compreender esta simples “verdade”: x deixou y por 2x. E isso faz com que x não queira fazer parte desse conjunto.

Quando b entrou na equação e prometeu, sem cumprir, o que y nunca prometeu, houve um sorriso escarninho de vitória. Sem que se tenha detido, por um instante, na mágoa que esse sorriso provocou. Na conclusão: - Quem quer que encontres, o que quer que te prometam, x, nunca será real ou completo. E isso magoa pela constatação em si e pela ausência de consideração pela dor inerente a essa cruel verdade.

 

I was already missing before the night I left

Just me and my shadow and all of my regrets

08
Jul19

As noites...

7FA4818F-FE98-4E98-A39C-5AF9BBCADC88.jpeg

 

As noites, acompanhadas pelas minhas inseguranças, transportam a saudade aos dias. Dos traços. De como eram antes da borracha da vida lhes passar por cima.

Mesmo em sonhos conscientes, as patranhas que repito a mim mesma não me afastam do lodo.

A espiral é eterna, descendente, de volta ao princípio.

27
Jun19

Estou aqui.

99741110-4EA9-4274-89A2-3C9125C23089.jpeg

 

Estou aqui. Entre músicas. Entre compassos. Entre pausas.

Entre mim e eu. Entre tu e ela. Entre ontem e hoje.

Entre tudo o que não sei o que será e tudo o que sei que dói.

Entre tudo o que te magoei e tudo o me magoaram depois.

Entre o perfeito equilíbrio do universo numa pessoa em um ponto no espaço e no tempo.

Entre os copos que não bebo na bebedeira sóbria da vida.

Estou aqui.

 

That my feet don’t dance like they did with you.

25
Jun19

Não sei...

93CF5522-46C8-4642-A25F-415256008342.jpeg

 

Não sei o acto físico de desaparecer.

Esperando o suficiente acontecerá a todos. Não é possível evitá-lo, tão somente uma questão de tempo. Hoje. Amanhã.

Poderá ser natural amanhã e, portanto, porquê antecipar? Poderá ser natural dentro de 50 anos e, aí, como sublimar?

Foco na ideia de que tudo passa, até a vontade imensa da escuridão.

Porquê a necessidade de validação externa à existência, se aquela nunca virá e esta é incontornável e independente do resto?

Amanhã. Até lá, ser o melhor possível, no mundo possível, ajudando a humanidade possível.

14
Jun19

Mora mora.

84059AD7-DC58-4AB0-87F2-C0DD094F5A08.jpeg

 

Mora mora.

Não foi assim, calmamente, aos poucos, que arrasei com duas vidas de uma só vez. Foi tudo de um repente. 

Olhando para trás, não posso dizer que tivesse feito igual. Não posso negar arrependimentos. 

Foi o que senti como necessário. 

Agora necessário era conseguir avançar, também de um repente. 

Passado um ano, mora mora, calmamente, já é tempo demais.

12
Jun19

Não acho que um instante...

69F8D37E-E6A7-42FD-8B5E-81A24DD28534.jpeg

 

Não acho que um instante nos possa definir enquanto pessoas. Talvez enquanto pessoa naquele preciso instante. 

Talvez não tenhas sido correcta em tantos desses instantes comigo, mas não acho que nada disso te defina hoje ou amanhã. Como no livro, o passado é um país estrangeiro.

Vi tanta miséria hoje. Que podia ser eu. Que podias ser tu. Somos nós nas nossas circunstâncias. 

Pela primeira vez consigo dar um passo no sentido da libertação.

 

“The past may or may not be a foreign country. It may morph or lie still, but its capital is always Regret (...)” - André Aciman, Enigma Variations

10
Jun19

Acabei o livro.

D49C870D-1167-4FED-9595-B0B4FCE9286A.jpeg

 

Acabei o livro (Enigma Variations). Deve estar muito bem escrito porque senti toda a angústia. Aquela que já é minha também. Não foi fácil de digerir, ainda que o fim tenha sido um pouco anti-climático.

Satisfaz-me, contudo, ter percebido o instante a partir do qual nada, nunca mais, seria igual. 

De costas para a cidade, olhar perdido nas águas do Tejo, sabendo que aquele instante seria o último de paz, sabendo que o segundo imediatamente a seguir a levantar-me do banco deixava sentada a alma e arrastava o corpo por uma cidade vazia. 

Será isso o vinho da vida? A consciência exacta de cada instante pelo instante que é? Tenho tantas saudades daqueles minutos, ainda sentada. Antes de tudo.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D